WWW.DISSERTATION.XLIBX.INFO
FREE ELECTRONIC LIBRARY - Dissertations, online materials
 
<< HOME
CONTACTS



Pages:   || 2 | 3 |

«Reforma da Educação: O “entendimento da complexidade” pela busca do sujeito complexo. Prof. Ms. Marcio Antonio Raiol dos Santos (UFPA) ...»

-- [ Page 1 ] --

I EBEC – PUC/PR – Curitiba, PR, Brasil, 11 a 13 de julho de 2005.

Reforma da Educação: O “entendimento da complexidade” pela busca

do sujeito complexo.

Prof. Ms. Marcio Antonio Raiol dos Santos (UFPA) mars@ufpa.br

Resumo.

Este estudo tem como objetivo precípuo realizar interfaces entre a Educação Formal e a

“Teoria da Complexidade”, por meio de uma analise critica dos seus: Fundamentos

Epistemológicos; Princípios Teóricos; e suas Posposições Educacionais. Para este intuito privilegiaremos a análise da produção científica dos pensadores francês Edgar Morin e Jean–Louis Le Moigne, auxiliando a discussão com estudos Freireanos e Kantianos. Este artigo discute as proposições educacionais (desafios e possibilidades) propaladas por Morin com vistas a uma “Reforma da Educação” e a proposição de Le Moigne para conseguir tal reforma, ou seja, a “Inteligência da Complexidade”. Tecemos críticas à proposição de Le Moigne e propomos o conceito de “Entendimento” como caminho mais efetivo a tal fim.

Concluímos que talvez por meio do “Entendimento da Complexidade” os atores educativos poderão assumir-se como “Sujeitos complexos” e realizar as mudanças paradigmáticas e programáticas que a Educação Contemporânea demanda.

Palavras-chave: Reforma da Educação; Entendimento da Complexidade, Sujeito Complexo.

1 - Intróito.

No meio acadêmico muito se fala sobre “complexidade”, mas o número de pesquisadores e grupos de pesquisa ainda é relativamente reduzido. Muitos (levados pelos modismos acadêmicos) a aceitam cegamente como salvação, como uma formula mágica/mística que poderia solucionar os problemas humanos (e dentre eles os educacionais), e igualmente muitos a criticam (cegos pelo ortodoxismos acadêmico clássico), designando-a como não cientifica ou antecientífica, classificando-a como “falácia vazia” e indigna de investigação.

Tanto a primeira posição acadêmica (aceitação total) quanto a segunda (negação total) são indesejadas; necessitamos antes de tudo compreender os fundamentos de qualquer teoria para podermos nos posicionar conscientemente sobre suas falhas e possibilidades.

É neste jogo de negação e aceitação que este artigo está sendo configurado, na tentativa de fugir das defesas e das acusações superficiais e simplistas. Não podemos negar as mudanças globais nas relações de ensino/aprendizado, nem as necessidades de mudanças tanto nos papeis dos educadores como dos educandos, como também não podemos ser cooptados por qualquer teoria que surge como “moda acadêmica” no afã de fugirmos das vicissitudes do cotidiano educacional.

Como educadores imersos neste torvelinho de mudanças (econômicas, política, sociais, ecológicas, educacionais e muitas outras), necessitamos urgentemente redimensionar nossos fundamentos epistemológicos para conseguirmos compreender as mudanças, e não sermos imobilizados por elas, podendo assim, agir de forma consciente e fundamentada, conseqüênciando em uma educação de melhor qualidade e acima de tudo relevante ao nosso momento histórico.

É nesta perspectiva que trabalhamos, procuramos compreender a “Teoria da Complexidade” para podermos perceber suas virtudes (e ressaltá-las) e criticar suas debilidades (e expô-las), I EBEC – PUC/PR – Curitiba, PR, Brasil, 11 a 13 de julho de 2005.

no intuito de melhorar a ambas, tanto a “Teoria da Complexidade” quanto a Educação Formal. Pois, “No fundo, este deve ser o sonho legítimo de todo autor – ser lido, discutido, criticado, melhorado, reinventado, por seus leitores”. (FREIRE, 1998, p. 44).

2 - A Epistemologia da Complexa.

A epistemologia complexa toma forma a partir do conhecimento, que compreende o conhecimento dos limites do conhecimento. Não há conhecimento "espelho" do mundo objetivo. O conhecimento é sempre tradução e construção. Daí resulta que toda observação e toda concepção devem incluir o conhecimento do observador que concebe. Não há conhecimento sem autoconhecimento. (MORIN, 2002, p. 200. 201).

A “Epistemologia da Complexidade” emergiu e começou a ser sistematizada nos estudos iniciados por Morin (em 1969/1970) em campos pouco usuais para indagações filosóficas, como a cibernética e a biologia avançada. Todavia, (Cf. MORIN,1996, 2000ª, 2002d) a complexidade não surgiu com ele; na história filosófica ocidental e oriental podemos encontrar vários elementos e premissas de um “pensamento complexo”.

O próprio pensamento chinês tem como base uma relação dialógica entre o yin e o yan, na qual o único meio possível de entendimento dos processos componentes da “realidade” seriam a aceitação dos contrários como complementares, ou seja, conviver e respeitar os movimentos recursivos entre positivo e negativo, bom e mau, forma e não forma, entre outros.

Fang Yizhi (‫,)1761† 1161٭‬também pode ser considerado um dos primeiro a discutir a relação todo/parte em termos complexos, ao defender que “ the universe is a totality of systems, that systems are particles, and that within particles there are systems. (SHEN, 2004) {“O Universo é a totalidade (todo) de um sistema, e neste sistema existem partículas (Partes), e que dentro das partículas existem sistemas”}. Nesta mesma perspectiva temos na antiguidade grega Heráclito que alertava para a mesma necessidade, ou seja, a aproximação dos contrários como forma de compreender a “realidade”.





Ainda no ocidente, só que passando para a idade clássica, encontramos Pascal que demonstra uma preocupação com as relações dialógicas. O próprio Morin o considera como autor chave para compreender as relações complexas entre o todo e a parte, quando Pascal diz: “Mas as partes do mundo têm todas tais relações e tal encadeamento umas com as outras que considero impossível compreender uma sem alcançar as outras, e sem penetrar o todo” (PASCAL, 1973, 0.59).

Assim, podemos perceber na “epistemologia da complexidade” um arraigado desejo de aproximação, ou seja, romper com as fragmentações (tidas como naturais na ciência cartesiana) em prol de uma postura dialógica que favoreça uma compreensão mais acurada dos fenômenos complexos.

3 - Mas, de que “Complexidade” falamos?

Infelizmente o termo “Complexidade” trás consigo uma forte carga semântica, pois na linguagem coloquial tendemos é associar complexo com complicado, embora o complexo originalmente seja relativo a conjunto, irremediavelmente relacionado, ao que não pode ser separado sobre pena de comprometer sua compreensão.

Desta forma, a complexidade não se reduz à complicação, é antes de tudo uma visão de mundo que já emergiu na história filosófica humana várias vezes. Assim, a complexidade expõe a dificuldade que muitos de nós temos de pensar o diálogo amplo entre os constituintes de todos os processos vivos, e a dificuldade de conviver com os antagônicos e perceber sua complementariedade, Morin diz: “O pensamento é um combate com e contra a lógica, com e contra as palavras, com e contra o conceito” (MORIN, 1996b, p.14).

I EBEC – PUC/PR – Curitiba, PR, Brasil, 11 a 13 de julho de 2005.

A filosofia vem encontrando e reencontrando a complexidade ao longo de sua história, mas devido contingências sociais, econômicas, religiosas e muitas outras, estas discussões ocuparam local periférico colabadas pelos desejos de controle, ordem e previsibilidade da ciência cartesiana.

Contudo, algo vem mudando, os avanços científicos não tem conseguido propalar o bem estar, bem como, as ciências avançadas tem se deparado com dificuldades de manter a organização e o controle sobre muitos fenômenos estudados.

Nesta perspectiva, fica clara a necessidade de ampliarmos os estudos não só no sentido de acrescer e aprofundar os conhecimentos acumulados pela humanidade, mas também, discutirmos os próprios mecanismos (Biológicos, Sociológicos e Mitológicos) de formação, aquisição, e falhas do conhecimento humano.

4 - Os três princípios da complexidade.

Morin sistematizou (ao longo de mais de três décadas) em três, os princípios básicos da complexidade, com o intuito de clarificar os elementos constituintes de uma visão complexa de mundo.

O primeiro princípio é o “dialógico”, que tem como ponto cardinal defender uma postura sempre aproximadora entre os pontos de vista por vezes antagônicos. A dialógica tem como principal função aproximar os antagônicos admitindo que os “opostos são complementares” sendo indissociáveis e indispensáveis, negando o terceiro axioma identitário de Aristóteles (“Principio do terceiro excluído”, defendendo que toda a proposição dotada de significação é verdadeira ou falsa, e que entre duas proposições contraditórias uma somente pode ser considerada verdadeira [A é ou B ou não-B] Cf. MORIN, 2000ª, p. 97).

Podemos perceber isso nas palavras de Bohr: “O contrário de uma verdade trivial é um erro estúpido, mas o contrário de uma verdade profunda é sempre uma outra verdade profunda” (MORIN apud BOHR, 2000ª p. 204). Desta forma, este princípio propõe um diálogo amplo e realimentador entre todo os elementos constituintes da “realidade humana”, admitindo-se vários níveis de realidade (ativas e mutáveis) em detrimento de uma realidade unificada e perene.

O segundo princípio é o da “recursividade ou recursão organizacional”, este princípio vai muito além da simples noção de “feedback”, não se restringindo a noção simplista de regulação, abraçando as noções de autoprodução e auto-organização. É a espiral geradora na qual, os produtos e os efeitos são simultaneamente produtores e causadores daquilo que os produz, este principio é corroborado pela cibernética que com a idéia de retroação ou curva causal (que contesta a causalidade linear) concebe os fenômenos e os seres como causas e causadores, modificados e modificantes, influenciando tanto a si, como aos outros e o meio.

Desta forma, todos os seres (e suas ações) são importantes, não existindo contribuição desnecessária (especialmente nas relações humanas), pois uma ação individual pode reconfigurar um sistema (dependendo da ecologia das ações).

O terceiro e ultimo princípio é o “hologramático” (Holograma é uma fotografia tridimensional, seu valor como metáfora consiste no fato de que quando um holograma é cindido ao meio cada parte apresenta uma cópia integral da figura anterior, ao invés de dividir a figura ao meio, assim, o holograma manter o todo da figura mesmo quando dividido.), que é usado como metáfora para explicitar a capacidade aparentemente paradoxal que os sistemas têm de não só as partes estarem no todo, mas também do todo estar simultaneamente nas partes, como as células que fazem parte de um todo (organismo), mas mesmo assim trazem em seu interior as informações do todo (código genético).

I EBEC – PUC/PR – Curitiba, PR, Brasil, 11 a 13 de julho de 2005.

Estes três princípios quando contemplados permitiriam aos pesquisadores, maiores possibilidades de realizar o que Morin denomina de “pensamento complexo”.

Pensamento este, que pode ser transposto para várias áreas do conhecimento humano (entre elas a Educação Formal) com o intuito de ampliar as possibilidades de aprofundamento teórico e aprimoramento prático.

5 - Desafios Educacionais e Complexidade.

Há várias décadas, Morin vem se dedicando sistematicamente a pensar sobre as implicações éticas, ecológicas, sociológicas, culturais e antropológicas da fragmentação dos saberes sobre o homem e a natureza, realizando muitas reflexões de suma importância.

Recentemente, por convites de organismos internacionais como a UNESCO e por solicitação de educadores, o autor vem dedicando cada vez mais esforços em direcionar suas reflexões para o campo educativo.

O autor busca nestes textos voltados especificamente para questões educativas, ressaltar direcionamentos, caminhos, ou eixos “trasversáteis” (“Trans” para que possa percorrer vários campos de conhecimento; e “Versátil” para adaptar-se a estes campos.). Bem como, alertar para: as possibilidades nefastas do conhecimento científico se tomado como verdade absoluta e imutável; o aumento das agressões à natureza; a necessidade de nos considerarmos cada vez mais moradores de nossa pátria planetária ou Terra Pátria (Cf. MORIN, 2000c), e as aproximações entre as ciências biológicas, humanas e físico-químicas no afã de propiciar uma compreensão mais complexa de qualquer fenômeno, e entre eles os fenômenos humanos.

Ressaltaremos de forma concisa os principais desafios enfrentados por todos os cidadãos do

globo, e que afetam diretamente os esforços educativos:

1- O primeiro desafio educacional é o da impossibilidade dos saberes dissociados, incomunicáveis e fragmentados entre vários campos de conhecimento;

2- O segundo grande desafio consiste na cisão entre a cultura humanista (ciências humanas e artes) e a cultura científica (ciências exatas e biológicas);

3- O terceiro desafio da educação, consiste no aumento do conhecimento como maior e mais importante capital, e sua crescente importância tanto no nível social como no individual;

4- O quarto desafio é o cívico, sendo este marcado pela necessidade de nos contrapormos ao crescente individualismo e consumismo que favorece a diminuição da responsabilidade e solidariedade de forma sistêmica;

5- O quinto desafio é ressaltar a interdependência desses desafios elencados, anteriormente, relembrando que ações isoladas pouco ou nada podem fazer, frente a desafios multifacetados e complexos.

Como forma de enfrentamento destes desafios, Morin defende que a educação deve passar por uma reforma, que pode configurar-se como resultado de uma “Reforma do Pensamento”.

6 - A Antinomia: Reforma do Pensamento e Inteligência da Complexa.



Pages:   || 2 | 3 |


Similar works:

«NO. 13-97 IN THE Supreme Court of the United States GENEVA-ROTH VENTURES, INC. D/B/A LOAN POINT USA, Petitioner, v. TIFFANY KELKER, Respondent. On Petition for a Writ of Certiorari to the Supreme Court of Montana RESPONDENT’S BRIEF IN OPPOSITION JOHN HEENAN DEEPAK GUPTA Counsel of Record BISHOP & HEENAN 1631 Zimmerman Trail JONATHAN TAYLOR Billings, MT 59102 GUPTA BECK PLLC (406) 839-9091 1625 Massachusetts Ave., NW Suite 500 Washington, DC 20036 (202) 470-3826 deepak@guptabeck.com Counsel...»

«   Lecture Notes on Meditation Five G. J. Mattey February 23, 2011 The title of the Fifth Meditation (M5) is “The essence of material things, and the existence of God  considered a second time” (AT VII 63, CSM II 44).   Descartes’s description of the M5 in the Synopsis is the shortest description of any of the Meditations. ...»

«Progress In Electromagnetics Research, PIER 85, 133–145, 2008 X-BAND TRISECTION SUBSTRATE-INTEGRATED WAVEGUIDE QUASI-ELLIPTIC FILTER A. Ismail, M. S. Razalli†, M. A. Mahdi, R. S. A. R. Abdullah N. K. Noordin and M. F. A. Rasid Department of Computer and Communication Systems Engineering Faculty of Engineering Universiti Putra Malaysia Serdang, Malaysia Abstract—A narrowband trisection substrate-integrated waveguide elliptic filter with coplanar waveguide (CPW) input and output ports is...»

«Las Senoras: From funds of knowledge to self-discovery Item type text; Dissertation-Reproduction (electronic) Authors Gonzalez-Angiulo, Hilda, 1960Publisher The University of Arizona. Rights Copyright © is held by the author. Digital access to this material is made possible by the University Libraries, University of Arizona. Further transmission, reproduction or presentation (such as public display or performance) of protected items is prohibited except with permission of the author....»

«Volunteer Learning & Development Getting Started With. Your First Two* Girl Scout Brownie Troop Meetings *PLUS tips on “What Happens Next?” Girl Scouts of Greater Atlanta 5601 North Allen Road Mableton, GA 30126 770-702-9100 www.gsgatl.org Knowledge Management 4/13 Girl Scouts of Greater Atlanta Volunteer Learning & Development 1st MEETING (SAMPLE) Focus: Juliette (“Daisy”) Low YOU WILL NEED: Name tag supplies • An attendance roster or poster • An ice-breaker or get-acquainted game...»

«CHAMBRES REGIONALES DES COMPTES DE GUADELOUPE, GUYANE, MARTINIQUE CHAMBRES TERRITORIALES DES COMPTES DE SAINT-MARTIN, SAINT-BARTHELEMY Le Président Pointe-à-Pitre, le 28 octobre 2011 CONFIDENTIEL RECOMMANDE AVEC A.R. CRC/JCP/Greffe/n° 2011-995 P.J : Une annexe Monsieur le Directeur, Par lettre du 12 septembre 2011, j’ai porté à votre connaissance sous la forme d’un rapport, les observations définitives de la Chambre régionale des comptes de la Guyane concernant la gestion du centre...»

«COORDINATING COMMITTEE OF SENIOR OFFICIALS MISSING WOMEN WORKING GROUP REPORT: Issues Related to the High Number of Murdered and Missing Women in Canada September 2010 1 1. INTRODUCTION In February 2006, Federal, Provincial and Territorial (FPT) Deputy Ministers Responsible for Justice endorsed the establishment of a working group of the Coordinating Committee of Senior Officials (CCSO) to review issues related to the high number of murdered and missing women in Canada. In June 2006, FPT Deputy...»

«Supernatural #1 Pastor Craig Groeschel LifeChurch.tv Open [video] Finally, be strong in the Lord and in His mighty power. Put on the full armor of God, so that you can take a stand against the devil’s schemes. For I struggle not against flesh and blood, but against the rulers, against the authorities, against the powers of this dark world, and against the spiritual forces of evil in the heavenly realms. [Craig Groeschel] Well, welcome today to all of our campuses, all of our network churches...»

«SCHOOL INSPECTION SERVICE Independent professional inspection of schools affiliated to the Focus Learning Trust, schools accredited as members of the Steiner Waldorf Schools Fellowship, and those schools belonging to the Cognita Group which are not members of the Independent Schools Council and its constituent associations INSPECTION REPORT INSPECTION CARRIED OUT ACCORDING TO SECTION 162A OF THE EDUCATION ACT 2002 Name of school: Focus School Long Eaton Campus DfE number: 830/6039 Focus number:...»

«Donald E. Beebe, DVM, Dipl AVDC Apex Dog and Cat Dentistry, P.C. (303) 810-6029 www.dentistvet.com Feline Gingivostomatitis Oral inflammatory diseases are seen in multiple veterinary species. “Stomatitis” or “gingivostomatitis” (GS) simply means inflammation of the tissue lining the mouth. In cats, it is now commonly used to refer to a chronic clinical entity affecting some or all of the alveolar mucosa, the area lateral to the palatoglossal folds (inaccurately called fauces), and...»

«Island Studies Journal, Vol. 8, No.1, 2013, pp. 25-38 Steaming between the Islands: Nineteenth-Century Maritime Networks and the Caribbean Archipelago Anyaa Anim-Addo University of Sheffield United Kingdom a.anim-addo@sheffield.ac.uk Abstract: Recent scholarship, particularly in “new” imperial studies, has underscored the role of networks in shaping imperial projects. A networked approach offers a useful lens through which to analyse nineteenth-century steamship services, and in this paper...»

«CREWE ENGINEERING & DESIGN UTC FREEDOM OF INFORMATION POLICY Author: Principal Version: 1 Date approved: 27.04.016 Date reviewed: Comments: Monitoring, evaluation and review: The Principal and Board of Directors will review this policy at least every two years and assess its implementation and effectiveness. The policy will be promoted and implemented throughout by Crewe Engineering & Design UTC. 1. Introduction The purpose of this policy is to ensure that the provisions of the Freedom of...»





 
<<  HOME   |    CONTACTS
2016 www.dissertation.xlibx.info - Dissertations, online materials

Materials of this site are available for review, all rights belong to their respective owners.
If you do not agree with the fact that your material is placed on this site, please, email us, we will within 1-2 business days delete him.